Brasil vence a Argentina e leva título do Sul-Americano Sub-21 de vôlei masculino

Sob comando de Giovane Gávio, o Brasil venceu a Argentina por 3 a 1 e teve quatro atletas na seleção do campeonato, além do prêmio de melhor atleta para  Victor Cardoso

Grande dia para a nova geração do vôlei nacional. Na noite deste sábado, o Brasil sagrou-se campeão do Sul-Americano masculino Sub-21 ao vencer a Argentina por 3 sets a 1, em Bariloche. Sob comando de Giovane Gávio, a equipe verde e amarela garantiu o título com as parciais 28/26, 25/27, 25/21 e 25/20, e, de quebra, levou vaga no Mundial de 2019.

Principal destaque da partida, o oposto brasileiro Oppenkoski marcou 24 pontos, sendo 20 de ataque e quatro de saque. O ponteiro Victor Cardoso também brilhou na decisão ao marcar 16 pontos.

Para fechar com chave de ouro, o Brasil ainda teve os centrais Edson Júnior e Paulo, o oposto Oppenkoski e o levantador Rhendrick na seleção do campeonato e Victor Cardoso eleito o melhor atleta do Sul-Americano Sub-21. Feliz com o bom desempenho da equipe e com a conquista deste sábado, o técnico Giovane elogiou todo o grupo.

– Estamos todos muito felizes com esse título. O time teve uma bela demonstração de força depois de perder o segundo set, soube de recuperar e vencer os dois seguintes. Isso foi muito importante para conquistarmos essa vitória. Toda a equipe jogou muito bem – elogiou o comandante da seleção brasileira.

O técnico ainda falou sobre desempenho dos atletas durante a disputa do torneio e definiu como “fundamental” a participação dos jovens centrais.

– Acredito que o nosso destaque foi o grupo. Todos colaboraram muito bem para conseguirmos esse título. Jogamos o campeonato inteiro com o Nathan, que ainda é da categoria abaixo, o Victor assumiu o time, tivemos uma grande atuação da dupla de levantador e oposto, que são o Rhendrick e o Oppenkoski, os centrais tiveram uma participação fundamental, enfim, todos estão de parabéns mesmo – afirmou Giovane.

Em Bariloche, a delegação brasileira foi formada pelos levantadores Gustavo Orlando e Rhendrick Resley; os opostos André Saliba e Wlinton Oppenkoski; os ponteiros Lucas Figueiredo, Victor Cardoso, Nathan Krupp e Vitor Yudi; os centrais Guilherme Voss, Edson Paixão e Paulo Carraro; e o líbero Felipe Cundiev.

Fonte: Lance!

Equipe masculina do Rio de Janeiro para a temporada (Foto: Divulgação)

Com seleção em peso, Rio de Janeiro apresenta elencos para a temporada

Time de Bernardinho segue com nomes como Gabi e Roberta em busca do hexa da Superliga; equipe masculina estreia na elite com Giovane Gavio no comando, Maurício Borges e Maurício Souza

Por GloboEsporte.com, Rio de Janeiro

Gabi, Maurício Borges, Roberta, Maurício Souza… não faltam nomes da seleção brasileira de vôlei nos elencos dos times do Rio de Janeiro para a temporada 2017/18 do vôlei. Neste sábado, a equipe carioca apresentou o grupo que vai em busca do sexto título consecutivo da Superliga feminina sob comando do técnico Bernardinho, e o grupo masculino que fará sua estreia na elite nacional com Giovane Gávio no comando.

Ao todo, são 30 atletas entre homens e mulheres. Pela primeira temporada, o Rio de Janeiro terá a parceria integral com o Sesc-RJ tanto no feminino quanto no masculino. Entre as mulheres, está mantida a base das últimas conquistas, com a ponteira Gabi, a levantadora Roberta e a líbero Fabi. Ao todo, são nove remanescentes do pentacampeonato da última temporada. Também se juntam ao grupo outros seis reforços, com destaques para a central Vivian, a oposta Natiele e as ponteiras Kasiely e Gabi Guimarães.

– A temporada 2017/18 será de muito equilíbrio e desafios para a equipe do Sesc-RJ. Nós temos adversários que investiram e se fortaleceram muito, se reforçaram em relação à temporada passada. Então, tentar manter essa hegemonia que nós criamos aqui no Rio e no Brasil não será um desafio dos mais simples neste ano – analisou Bernardinho.

Já entre os homens, o Rio, atual campeão da Superliga B, montou um elenco forte para a estreia na elite. O técnico Giovane terá à disposição jogadores de seleção brasileira como o central Maurício Souza, o ponteiro Maurício Borges, o oposto Renan Buiatti e líbero Tiago Brendle.

– Este segundo ano é um ano de construção, já que o nível técnico da Superliga A é bem diferente, tem equipes que já alcançaram a sua maturidade, algumas com mais de 10 anos disputando a competição. Por isso, nosso grande objetivo para este ano é estar entre os quatro primeiros colocados da Superliga A – afirmou Giovane Gávio.

O próximo desafio dos dois times do Rio de Janeiro é o campeonato carioca, no qual ambos ingressam na fase semifinal. O feminino joga no dia 2 de outubro, às 20h, contra o Botafogo em General Severiano, e o masculino entra em quadra no dia 5 de outubro, às 19h (horários de Brasília), contra adversário a ser definido.

MASCULINO

REFORÇOS

João Rafael
João Rafael de Barros Ferreira
Data de Nascimento: 17/03/1993
Recife/PE
Posição: Ponteiro
Altura: 1,93m
Peso: 93 Kg

Levi Alves
Levi Alves Cabral
Data de nascimento: 16/05/1989
Rio de Janeiro/RJ
Posição: Ponteiro
Altura: 1,98m
Peso: 87 Kg

Thiaguinho
Thiago Pontes Veloso
Data de nascimento: 15/08/1993
João Pessoa/PB
Posição: Levantador
Altura: 1,85m
Peso: 80 Kg

Japa
André Ryuma Oto Aleixo
Data de nascimento: 21/12/1990
Campinas/SP
Posição: Ponteiro
Altura: 1,90m
Peso: 88 Kg

Maurício Souza
Maurício Luiz de Souza
Data de nascimento: 29/09/1988
Iturama/MG
Posição: Central
Altura: 2,09m
Peso: 93 Kg

Maurício Borges
Maurício Borges Almeida Silva
Data de nascimento: 04/12/1989
Maceió/AL
Posição: Ponteiro
Altura: 1,99m
Peso: 99 Kg

Renan Buiatti
Renan Zanata Buiatti
Data de nascimento: 10/01/1990
Uberlândia/MG
Posição: Oposto
Altura: 2,17m
Peso: 105 Kg

Tiago Brendle
Tiago Brendle
Data de nascimento: 21/10/1985
Panambi/RS
Posição: Líbero
Altura: 1,88m
Peso: 83 Kg

REMANESCENTES

Everaldo
Everaldo Lucena da Silva
Data de nascimento: 28/5/1985
Rio de Janeiro/ RJ
Posição: Levantador
Altura: 1,97m
Peso: 94 Kg

PV
Paulo Victor Costa da Silva
Data de nascimento: 12/5/1986
Corumbá/MS
Posição: Oposto
Altura: 1,98m
Peso: 94 Kg

Tiago Barth
Tiago Enrique Barth
Data de nascimento: 13/6/1988
Mondaí/SC
Posição: Central
Altura: 2,09m
Peso: 103 Kg

Juninho
Valdir Gonçalves Junior
Data de nascimento: 23/3/1987
Marília/SP
Posição: Ponta/Oposto
Altura: 1,95m
Peso: 88 Kg

Victor Hugo
Victor Hugo Rocha Pereira
Data de nascimento: 2/8/1991
Goiania/GO
Posição: Central
Altura: 2m
Peso: 90 Kg

Alexandre Elias
Alexandre Figueiredo Elias
Data de nascimento: 30/9/1997
Local: Rio de Janeiro/RJ
Posição: Líbero
Altura: 1,90m
Peso: 85 Kg

Renato Oliveira
Renato Marques de Oliveira
Data de nascimento: 26/11/1988
Local: Maringá/PR
Posição: Central
Altura: 2,04m
Peso: 80 Kg

COMISSÃO TÉCNICA

Técnico: Giovane Gávio
Assistente técnico: Pedro Uehara “Peu”
Gerente: Marcos Senatore
Supervisor: Marcelo Freitas “Dentinho”
Preparador Físico: Giovani Foppa
Fisioterapeuta: Alexandre Herculano “Petute”
Auxiliar geral: Dennys Paredes
Auxiliar técnico: Vinicius Gomes “Alegrete”
Médicos: Ney Pecegueiro, Felipe Serrão e Felipe Malzac
Auxiliares de treino: Gabriel Fonseca e Tie Santana
Estatístico: Tobias Fares

Rio de Janeiro e Sesc apresentam reforços para a temporada

Rio de Janeiro e Sesc apresentam reforços para a temporada

Campeões olímpicos, Maurício Souza e Maurício Borges chegam para fortalecer time de Giovane Gávio, e Bernardinho aposta em destaques da última Superliga

O time feminino do Rio de Janeiro e o masculino do Sesc anunciaram nesta terça-feira as novidades para a temporada 2017/2018 da Superliga. Os reforços da equipe liderada pelo multicampeão Bernardinho são: a levantadora Carol Leite, as centrais Vivian e Linda, a oposta Natiele, e as ponteiras Kasi e Gabriella, transferida do Osasco para o Rio.

Os ponteiros João Rafael, Levi Alves e André Ryuma, o levantador Tiago Veloso, o oposto Renan Buiatti, o líbero Tiago Brendle, além do central Maurício Souza e do ponteiro Maurício Borges, campeões olímpicos em 2016, chegam para fortalecer o time do bicampeão olímpico Giovane Gávio.

As meninas iniciaram os trabalhos de readaptação na Escola de Educação Física do Exército (EsEFEx) da Urca nesta semana, com exceção das jogadoras que estão servindo à Seleção Brasileira, Gabriella, Monique, Roberta, Drussyla e Vitória (sub-23). Gabi e Juciely, que se recuperavam de uma tendinite e artroscopia, já treinam sob os comandos de Bernardinho. Da equipe vencedora da Superliga na temporada passada, também permanecem no grupo a central Mayhara, a líbero Fabi e a lavantadora Mikaella. Após 12 temporadas jogando pelo Rio de Janeiro, a capitã Régis deixou o time e transferiu-se para Polônia. A oposta Carol será outro desfalque do time de Bernardinho.

Depois de assegurar a vaga com o título da Superliga B, o Sesc fará sua estreia na elite do vôlei na temporada 2017/2018. As primeiras semanas de treinamento serão na areia, na Praia do Leblon, no Rio, mas a partir de agosto, o time passa a ocupar a Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), na Lagoa, onde a ideia é também realizar alguns dos seus jogos.

Dos novos jogadores, os quatro que estão defendendo a Seleção Brasileira – Maurício Souza, Maurício Borges, Renan Buiatti e Tiago Brendle – devem se integrar ao grupo em setembro, após o Campeonato Sul-Americano e a Copa dos Campeões. Os demais já iniciaram os treinos junto com o grupo remanescente da temporada anterior formado pelo lavntador Everaldo, o oposto Paulo Victor PV, os centrais Tiago Barth, Victor Hugo e Renato Oliveira, o ponteiro Juninho e o líbero Alexandre Elias.

http://globoesporte.globo.com/volei/noticia/rio-de-janeiro-apresenta-reforcos-dos-times-feminino-e-masculino-para-a-temporada.ghtml

Fonte: Globoesporte.com

Giovane é o novo técnico da seleção brasileira sub-23 de vôlei

Treinador, que no ano passado comandou a sub-21, assume novo desafio em processo de reformulação promovido pela CBV

O bicampeão olímpico Giovane Gávio é o novo técnico da seleção brasileira sub-23 de vôlei. Giovane, que no último ano comandou a equipe sub-21, assume a vaga que era de Rubinho, então auxiliar de Bernardinho. A mudança faz parte do processo de reformulação que a CBV promove desde o anúncio oficial da saída de Bernardinho da equipe principal, em janeiro. O ex-treinador do Brasil, inclusive, teve participação nas decisões da confederação.

Técnico da equipe masculina do Sesc, no Rio de Janeiro, Giovane comemorou a oportunidade de trabalhar na seleção sub-23 e mostrou confiança na conquista do Campeonato Mundial da categoria, que será disputado no Egito, em agosto. O treinador, porém, destacou que o seu principal trabalho é ajudar na preparação dos jovens para a equipe principal do país.

– No ano passado eu tive o privilégio, honra e alegria de trabalhar coma seleção brasileira sub-21. Nós disputamos o Campeonato Sul Americano, ficamos em segundo lugar, a Argentina foi a campeã. Agora toda essa reformulação entrou o Renan na adulta, eu fui chamado para assumir a sub-23, que são os jogadores mais preparados, mais prontos e nós vamos disputar o Campeonato Mundial, no Egito, em agosto. Isso tudo é parte de um planejamento do Bernardo saindo, mesmo estando em algumas decisões com o Renan. O Renan assume a adulta, eu assumo a sub-23 e o Neri, que era o meu auxiliar na sub-21, continua na sub-21 como treinador. E o Léo na sub-19. Então, as categorias de base seguindo como nunca uma orientação de cima, tentando fazer um trabalho visando a preparação desses jogadores para que, no dia que eles estiverem na adulta, estejam alinhados, acostumados com o ritmo de treinamento. É uma coisa legal. É uma alegria muito grande continuar vestindo a camisa da seleção brasileira com uma nova responsabilidade e com atletas que vão exigir mais. Mas vamos em busca do título.

Como jogador da seleção brasileira, Giovane Gávio tem no seu currículo duas medalhas olímpicas de ouro, quatro títulos da Liga Mundial e um título mundial. Campeão da Superliga com o Sesi-SP, em 2011, ele também já trabalhou como treinador no Joinville.

http://sportv.globo.com/site/programas/giro-sportv/noticia/2017/03/giovane-gavio-e-o-novo-tecnico-da-selecao-brasileira-sub-23-de-volei.html

Fonte: Globoesporte.com

Sesc RJ enfrenta o Botafogo em busca da quinta vitória na Superliga B

Confronto deste sábado é reedição da final do Campeonato Carioca 2016

A rodada deste fim de semana da Superliga B de vôlei terá a reedição da final do Campeonato Carioca 2016, em novembro: o Sesc RJ enfrenta o Botafogo na Hebraica Sociedade Esportiva e Recreativa, no sábado (11/2), às 19h. Campeão da competição estadual, o Sesc RJ tem agora, frente ao mesmo adversário, o desafio de alcançar a quinta vitória consecutiva e a manutenção da invencibilidade na Superliga B.

Treinado pelo bicampeão olímpico Giovane Gávio, o Sesc RJ vem de quatro vitórias, todas por 3 sets a 0, contra Uberlândia Gabarito, ASPMA/Araucária/Berneck, Upis/Brasília e o Apan/Barão/Blumenau. Com os resultados, o time lidera com 12 pontos. Já o Botafogo venceu a ASPMA/Araucária/Berneck (3 x 0) e o Rádio Clube/AVP (3 x 1) e foi derrotado pela Upis/Brasília (0 x 3) e Apan/Barão/Blumenau (1 x 3). Dessa forma, soma 7 pontos e figura na quarta colocação da tabela.

O time de vôlei masculino Sesc RJ foi lançado oficialmente em 1 de outubro de 2016, como parte do programa Sesc Esporte, iniciativa do braço sociocultural do Sistema Fecomércio RJ para estimular a prática esportiva entre crianças e adolescentes. Em pouco tempo, conquistou o Campeonato Carioca 2016 de forma invicta e uma vaga na Superliga B, por meio da Taça Prata, com 100% de aproveitamento.

Nessa primeira temporada na Superliga B, a equipe aposta no equilíbrio entre atletas jovens e experientes – com passagem por importantes clubes do Brasil e pela Seleção – para começar a trilhar um longo caminho de vitórias e transformação social.

Americanos levam a melhor e batem Alison e Bruno no Gigantes da Praia

Em evento festivo, Dalhausser e Lucena vencem campeões olímpicos neste domingo

A experiência olímpica pôde ser revivida neste domingo, mas de forma diferente. A atmosfera da arena de Copacabana, nos Jogos do Rio, foi transportada para o Centro de Tênis do Parque Olímpico. No Gigantes da Areia, Alison e Bruno Schmidt voltaram a ter Phil Dalhausser e Nick Lucena pela frente. Mas, ao contrário das quartas de final da Olimpíada, os brasileiros levaram a pior. Os americanos bateram os campeões olímpicos em 2 sets a 0, parciais 21/17 e 21/18.

A experiência de levar o vôlei de praia ao Centro de Tênis se mostrou válida. O público, de 3.189 pessoas, não chegou a encher as arquibancadas, mas entrou no embalo e animou a manhã de domingo no Parque Olímpico. Os jogadores também fizeram elogios à estrutura montada na quadra, nos moldes de etapas do Circuito Mundial, como Hamburgo, Roma e Praga.

– É maravilhoso. Já venho falando isso, quem ganha é o Brasil. A derrota faz parte do vôlei. Claro, há a rivalidade. Mas quando saímos de casa já sabíamos que iríamos dar o nosso melhor. Vocês puderam perceber, a nossa parte física não foi voltada para esse início. Semana passada, jogamos em João Pessoa. Hoje, jogamos melhor. Quem nos conforta é a nossa comissão, que pede calma. Nós queremos jogar bem o tempo inteiro – disse Alison.

Americanos levam a melhor

Era uma partida amistosa, mas era impossível deixar a rivalidade de lado. Phil Dalhausser e Nick Lucena dominaram o início e logo abriram vantagem. Depois de um rali sensacional, Alison soltou o braço e empatou em 10/10. Os americanos, porém, seguiram em um ritmo forte e se mantiveram à frente. No erro de Lucena, em bola para fora, os brasileiros voltaram a deixar tudo igual (15/15). Mas a parcial ficou com os visitantes: 21/17, em bloqueio de Dalhausser sobre Bruno.

Os brasileiros voltaram mais atentos à quadra e chegaram a abrir boa vantagem. Bruno, porém, ficou no bloqueio de Dalhausser, e o jogo ficou igual (7/7). Os americanos tomaram a frente, mas os donos da casa foram buscar. Na pancada de Alison, abriram 15/13. Mas os americanos voltaram a dominar na reta final e chegaram à vitória: 21/18.

Fonte: GloboEsporte.com

Brasileiros treinam na arena, e Alison elogia estrutura: “Muito bonita”

Duplas brasileiras treinam neste sábado antes do evento ‘Gigantes da Praia’

Na sexta, os gringos foram os primeiros. Neste sábado, foi a vez de as duplas brasileiras conhecerem o palco do “Gigantes da Praia”. Alison/Bruno Schmidt, Ana Patrícia/Rebecca e Ágatha/Duda estiveram pela primeira vez no Centro Olímpico de Tênis, no Parque Olímpico, que foi transformado para a disputa do vôlei de praia. Os atuais campeões olímpicos encaram os americanos Dalhausser e Lucena às 10h, com transmissão ao vivo no Esporte Espetacular. Antes, às 9h, as duplas femininas se enfrentam em jogo preliminar.

– A estrutura está muito boa, muito bonita, com uma areia de qualidade. Esperamos que a torcida compareça para deixar o espetáculo ainda mais bonito. Dalhausser e Lucena são dois atletas de alto nível, que fizeram nosso time evoluir. Perdi muito para ele quando era mais jovem, ele fez com que eu crescesse como atleta. E são amigos fora de quadra, assim como Bruno e eu. Será uma grande partida – disse Alison.

Para as partidas de vôlei de praia, a organização colocou areia no local e garantiu que a operação não causará danos ao Centro Olímpico de Tênis. Uma lona impermeável é responsável por proteger o piso, que receberá 210 toneladas de areia.

Fonte: GloboEsporte.com

Centro olímpico de tênis recebe 280t de areia e vira arena de vôlei de praia

Palco da final entre Andy Murray e Juan Martin Del Potro se transforma para o desafio de domingo. Montagem da quadra durou quatro dias, com 11 operários trabalhando

Palco do tênis da Olimpíada e Paralimpíada do Rio, o Centro Olímpico de Tênis passou por uma grande transformação nos últimos dias. Sede do Gigantes da Praia, desafio de vôlei de praia que acontece no domingo, o local recebeu 280 toneladas de areia e ganhou nova configuração. A montagem da arena durou quatro dias, com 11 funcionários trabalhando na operação. O Gigantes da Praia acontece a partir das 9h, com os duelos Ágatha/Duda x Ana Patrícia/Rebecca e Alison/Bruno Schmidt x Dalhausser/Lucena (EUA). A TV Globo transmite ao vivo dentro da programação do Esporte Espetacular.

A operação contou com 20 caminhões fazendo o transporte do areal particular para o Parque Olímpico. Inicialmente, as 280 toneladas de areia foram depositadas do lado de fora do Centro Olímpico de Tênis. O transporte para a quadra foi feito por duas pequenas máquinas de escavação. A antiga quadra de tênis seguirá com areia por mais algumas semanas. A ideia é que o local seja aproveitado por outras confederações com modalidades de praia.

Fonte: GloboEsporte.com